Volume 2 Número 215.03.2009
Editores Sergio Capparelli | Maria da Glória Bordini | Regina Zilberman

ISSN 1982-9434

Criação e fruição da poesia para crianças

A quinta edição de Tigre Albino lança olhares principalmente teóricos sobre as questões que envolvem a criação e a fruição da poesia para crianças. Na seção “Tigre Inquieto”, Edgar Roberto Kirchof vê na semiótica de Pierce um caminho para a avaliação desse gênero em geral minimizado pela crítica. Simone Assumpção recorre a Wolfgang Iser para pensar como ocorre a interação poema-criança e como o texto provoca a continuidade da leitura. Recuperando um texto também teórico de Gloria Maria Fialho Pondé (in memoriam), que apresenta uma muito bem fundada visão da especificidade e efeitos da poesia infantil, a seção inclui ainda um original trabalho de Caio Riter, que “entrevista” os grandes poetas modernos brasileiros para mostrar como entendem o ato poético. Flávia Brochetto Ramos e Vania Marta Espeiori também pressupõem um referencial teórico da Estética da Recepção na sensível análise que fazem de Lili Inventa o Mundo, de Quintana.

Ler o texto





Tigre Inquieto, ponto forte do  periódico, publica artigos sobre algum aspecto particular da poesia para crianças Poesia para crianças: a mágica da eterna infância

Glória Maria Fialho Pondé

Este artigo da professora e pesquisadora Gloria Maria Fialho Pondé (Rio de Janeiro, 24/1/1948 - 6/11/2006) foi publicado pela primeira vez na antologia da Profa. Sonia Salomão Khède, Literatura Infantil: Um Gênero Polêmico, há muito esgotada. Apresenta uma visão teórica da poesia infantil fundamentada em sólida formação e experiência analítica. Glória Pondé, Doutor em Letras/Literatura Brasileira pela UFRJ, lecionou Literatura Brasileira nessa mesma instituição, no Departamento de Letras Vernáculas, e ali abriu o setor de Literatura Infantil, para onde foi doada a sua coleção de livros para crianças e jovens. Lecionou também na Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense, onde se aposentou como Professor Titular. Glória Pondé foi uma das mais ativas presidentes da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil, onde desenvolveu inúmeros projetos acadêmicos ligados à leitura, pelos quais recebeu mais de um prêmio. Um desses projetos se transformou no atual PROLER da Biblioteca Nacional. A republicação desse artigo, gentilmente cedido por seus herdeiros, homenageia in memoriam essa industriosa lutadora em favor da leitura para crianças.

Ler o texto



Tigre Inquieto, ponto forte do  periódico, publica artigos sobre algum aspecto particular da poesia para crianças A Teoria do Efeito Estético e a leitura de poesia infantil

Simone Assumpção

O artigo da Profa. Simone Assumpção, Doutor em Letras/Teoria da Literatura pela PUCRS, que leciona na UNISINOS, intitulado A teoria do efeito estético e a leitura de poesia infantil, destina-se àqueles leitores que se preocupam com o lado teórico do estudo da poesia infantil. Adaptando para a poesia concepções de Wolfgang Iser, um dos criadores da Estética da Recepção alemã, que as desenvolvera especificamente para a narrativa, proporciona um valioso quadro de referências àqueles que desejam entender como se processa a leitura do poema dirigido às crianças.O artigo é uma versão abreviada de um capítulo da tese da Autora.

Ler o texto



Tigre Inquieto, ponto forte do  periódico, publica artigos sobre algum aspecto particular da poesia para crianças Sabiá com trevas: três diálogos sobre a poesia moderna

Caio Riter

A poesia infantil só pode ser medida pela destinada aos adultos, com a reserva das características etárias. Caio Riter, em Sabiá com Trevas: Três Diálogos Sobre a Poesia Moderna, proporciona aos interessados em poesia para crianças um interessante confronto de idéias e posições dos maiores poetas brasileiros sobre seu ofício e sobre a poeticidade. Simulando uma entrevista com Drummond, Bandeira, João Cabral, Cecília Meireles, Vinicius de Moraes, Mario Faustino, Ferreira Gullar e Manoel de Barros, com citações diretas e incluindo comentários de seus críticos, seu texto apresenta linhas-mestras também para o juízo sobre o valor do poema dirigido ao público infantil. Riter é escritor, Doutor em Literatura Brasileira pela UFRGS e professor da FAPA.

Ler o texto



Tigre Inquieto, ponto forte do  periódico, publica artigos sobre algum aspecto particular da poesia para crianças Os caminhos de Lili Inventa o Mundo

Vania Marta Espeiori
Flávia Brocchetto Ramos

Imaginar, imaginar e imaginar. De olhos fechados, de olhos abertos. Imaginar a partir de um objeto, de uma observação, de um som, de uma sensação, de um simples movimento da natureza, de uma pintura, de um livro, de um poema, de uma música. Mas o que realmente significa imaginar? Será que a imaginação humana tem limite? A enciclopédia apresenta a imaginação como a capacidade de formar imagens mentais de experiências passadas ou de criar imagens mentais de situações que o indivíduo não tenha experimentado efetivamente. Ainda no mesmo conceito, a imaginação é tida como importante, porque dá ao homem “a possibilidade de ampliar o passado e o futuro, o que é útil tanto para o prazer quanto para a criação da arte” (1980: 41).

Ler o texto



Tigre Inquieto, ponto forte do  periódico, publica artigos sobre algum aspecto particular da poesia para crianças Poesia infantil e valor literário: um ponto de vista semiótico

Edgar Roberto Kirchof

Em Poesia infantil e valor literário: um ponto de vista semiótico, o Doutor em Letras pela PUCRS e Professor na ULBRA, Edgar Roberto Kirchof, discuteo valor estético da poesia infantil a partir da semiótica literária. Inicialmente, apresenta um breve panorama histórico sobre o surgimento da literatura destinada para crianças, a fim de evidenciar seu compromisso histórico com a pedagogia. Em seguida, expõe alguns dos principais motivos pelos quais a literatura infantil tem sido considerada esteticamente inferior à literatura destinada a adultos. Por fim, com base em conceitos estéticos propostos pela semiótica literária, com ênfase na teoria de Charles Sanders Peirce, pondera o valor estético da poesia infantil a partir de alguns poemas de A Arca de Noé, de Vinícius de Moraes.

Ler o texto



Tigre em Movimento propõe  o  relato de trabalhos práticos com poesia infantil em qualquer nível educacional Poesias que encantam e ensinam

Elizabeth D`Angelo Serra

O artigo da Mestre em Educação Daiane Costa da Silva, professora das séries iniciais e vice-diretora da escola de ensino fundamental Dr. Gustavo Armbrust, Poesias que Encantam e Ensinam, salienta a importância da literatura infantil, no caso, da poesia, para a aprendizagem da leitura e da escrita e relata algumas atividades com poemas de Sérgio Capparelli, Cecília Meireles e e uma história de André Neves em uma turma de segunda série do Ensino Fundamental. Como embasamento teórico são utilizados os autores Cagliari, Frantz e Carvalho. O artigo é ilustrado com fotos das atividades.

Ler o texto



Tigre ao Espelho, contribui  com discussões sobre o fazer poético mais amplo, em que a ilustração ou design se institui enquanto uma das vozes importantes da interlocução entre autor e leitor.  O espelho apresentará autores ou ilustradores nacionais e estrangeiros, falando sobre seu trabalho, em entrevistas ou depoimentos Escritor com um parafuso a mais

Annete Baldi

Ricardo da Cunha Lima nasceu em São Paulo, tem diversos livros infanto-juvenis publicados: Lambe o dedo e vira a página (fora de catálogo), Em busca do tesouro de Magritte, O livro com um parafuso a menos e O xis da questão, todos pela FTD. Escreveu também três livros de poesia para crianças que foram editados pela Companhia das Letrinhas: De cabeça para baixo (2000), Cambalhota (2003) e Do avesso (2006). É formado em Cinema (Comunicação Social) pela Universidade de São Paulo e tem Mestrado e Doutorado em Letras (Letras Clássicas) pela Universidade de São Paulo. Atualmente é professor de Língua e Literatura Latina na USP.

Ler o texto



Poesia, imagem, som e movimento no hipertexto

Fabiano Tadeu Grazioli

O editor Miguel Rettenmaier apresenta aos leitores Fabiano Tadeu Grazioli, mestre em Letras – Estudos Literários, pela UPF/RS, e professor da FAE - Faculdade Anglicana de Erechim, que traz algumas reflexões sobre a leitura do texto poético no hipertexto e analisa algumas criações de Alex Lima publicadas no site O poeta visual. Fabiano Tadeu Grazioli é autor do livro Teatro de se ler: o texto teatral e a formação do leitor, desenvolve projetos de Teatro-Educação e dirige os espetáculos teatrais da Dueto Produções Culturais e Artísticas.

Ler o texto



Garcia Lorca, Florbela Espanca e Valéria Rezende

Por seus escritos, mas também por sua morte dramática, Federico Garcia Lorca (1898-1936) é um escritor de fama mundial. Na Espanha, crianças e adultos têm seus versos na ponta da língua. O Garcia Lorca das crianças canta com versos simples, linguagem colorida e no ritmo da música cigana. Essa atração por Lorca que sentem os pequenos tem uma explicação: quase todos os seus poemas têm origem na poesia popular espanhola, com imagens, ritmos e sons compartidos. Essa convergência do imaginário infantil na sua poesia em geral faz com que ele seja único, com uma influência muito forte na Espanha e na América espanhola.

Em Tigre à Mesa, o leitor poderá encontrar também uma das maiores poetisas portuguesas cujos versos são apreciados pelos jovens: Florbela Espanca. E é Ana Munari quem faz a apresentação de Florbela e de seus poemas. Em vez de apresentar o livro com um ar solene e um viés acadêmico, a apresentadora descreve o sussurrar dos versos e de imagens que ela ouviu durante a leitura, na medida em que reconstruiu o que leu, mostrando que Florbela é uma autora que se abre na estação certa.

Finalmente, como sobremesa, Daniela Silva seguiu verso por verso, haicai por haicai, o livro de poemas infantis de Maria Valéria Rezende, O risco do caracol. Daniela afirma logo no início que se trata de um rastro em ziguezague trazendo essa forma poética inventada pelos japoneses: seu “objetivo é fotografar com palavras um momento único que o poeta viu”.





Garcia Lorca para crianças

Sérgio Capparelli

Garcia Lorca é desses poetas que se tornam tão famosos que muitas vezes é difícil ler seus poemas procurando algo novo. Em outras palavras, em um mundo cheio de estereótipos, sobre pessoas, países e acontecimentos, o poema também se torna um estereótipo da própria poesia, de pessoas, de países e de acontecimentos.
Donatella Bissutti levanta essa questão ao reunir em coletânea poemas importantes, dirigidos inicialmente aos adultos, reendereçados às crianças. Ela acha que muitos poemas de Lorca transcenderam o autor, tornando uma espécie de cartão postal do país onde ele nasceu.

Ler o texto



Florbela na estação certa

 Ana Munari

Antologia de poemas para a juventude. Florbela para jovens? Deixa-me ver. Folheio a esmo os sonetos escolhidos, ainda na livraria, tentando enxergá-lo como esse receptor marcado desde o título. Confesso que nem é tão difícil, mais porque tenho uma jovem universitária em casa e nem tanto por causa do meu All Star (que tomei emprestado dela). “Juventude”, em nosso mundinhozinho carpinteiro do corpo tem um significado muito amplo; no entanto, encontrei o livro, um belo exemplar em formato 19X26, na prateleira dos infanto-juvenis.

Ler o texto



No risco de Maria Valéria Rezende

Daniela Silva

A NATUREZA SE MOSTRA. “Follow de yellow brick road!” cantam os Munchkins para Doroty em The Wizard of Oz (O mágico de Oz, 1939). O filme começa com um mergulho da personagem no mundo da ficção, como se ela e o expectador entrassem, ao mesmo tempo, primeiro, no universo em preto em branco do Kansas, e depois, no colorido de Oz, em que tudo se mistura e confunde de forma mágica e desafiadora. O meu desafio aqui é escrever uma resenha de No risco do caracol.

Ler o texto



Último Número

Quem Somos

Arquivos

Contribuições

Cartas



Cadastro

Nossas publicações acontecerão no dia 15 de novembro, 15 de março e 15 julho de cada ano. Se você quiser receber um lembrete a cada nova edição, preencha, sem qualquer custo, o formulário abaixo.








Tigre inquieto

Publica artigos sobre algum aspecto particular da poesia para crianças. Editores: Sérgio Capparelli, Regina Zilberman e Maria da Glória Bordini.

Tigre ao espelho

Contribui com discussões sobre o fazer poético mais amplo, em que a ilustração ou design se institui enquanto uma das vozes importantes da interlocução entre autor e leitor. O espelho apresentará autores ou ilustradores nacionais e estrangeiros, falando sobre seu trabalho, em entrevistas ou depoimentos. Editora: Annete Baldi

Tigre em movimento

Propõe o relato de trabalhos práticos com poesia infantil em qualquer nível educacional. Editora: Elizabeth D'Angelo Serra


Tigre digital

Ocupa-se de poéticas digitais para crianças, com descrição ou críticas de sites de poesia infantil no Brasil e no exterior. Editor: Miguel Rettenmaier.


Tigre à mesa

Apresenta ou publica críticas à produção editorial do período, dentro da área, tanto em relação a textos de reflexão como a livros, produtos ou espaços de poesia para crianças. Editor: Sérgio Capparelli.


Conselho Editorial
O Tigre Albino tem um Conselho Editorial integrado pelas seguintes pessoas:

Blanca Roig da USC e da LIJMI, Espanha;

Ezequiel Theodoro da Silva, da UNICAMP e da ALB, Brasil;

Isabel Mociño Gonzáles, da USC e da LIJMI, Espanha;

Laura Sandroni, da FNLIJ, Brasil;

Maria Antonieta Cunha, da PUC-MG, Brasil;

Marisa Lajolo, da UNICAMP e Mackenzie, Brasil;

Silvia Castrillon, da Asolectura, Colômbia;

Virgilio López Lemus, do ILL, FAyLUH e AChttp://fayl.uh.cu e ACC, de Cuba.












Mundo
da Leitura